Avenida Pasteur, nº 154, 12º andar - Botafogo - Rio de Janeiro, RJ, Brasil
+5521991291074

Resíduos Eletroeletrônicos (REEE): definição, descarte e reciclagem

O Blog da Polen é um espaço exclusivamente dedicado ao compartilhamento, divulgação e publicação de notícias, artigos, colunas e relatórios sobre o universo dos resíduos sólidos no Brasil e no mundo. Aqui você encontrará conteúdo relevante, escrito por profissionais com experiência e vivência no setor. Dentre as pautas a serem abordadas, estão: guias de boas-práticas na gestão de resíduos; legislação e regulação do setor; novas tecnologias, soluções e aplicações para o reaproveitamento, reuso e reciclagem dos resíduos; economia-circular; logística-reversa e muito mais!

Resíduos Eletroeletrônicos (REEE): definição, descarte e reciclagem

Resíduos Eletroeletrônicos (REEE)

A cada ano que passa, mais e mais pessoas são incluídas no que é chamado, hoje em dia, de sociedade da informação. Este fenômeno, alavancado por avanços tecnológicos que trouxeram redes do mundo inteiro para a palma da nossa mão, gerou uma série de benefícios e oportunidades sem precedentes para a nossa sociedade como um todo. Paralelamente, o barateamento dos produtos tecnológicos e os processos de urbanização e industrialização pelo qual passam muitos países emergentes leva ao crescimento constante da quantidade de resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) que geramos.

Equipamentos obsoletos ou no final de seus ciclos de vida, se não tratados adequadamente, representam consideráveis riscos à saúde humana e ao meio ambiente. A maioria dos resíduos de equipamentos eletroeletrônicos que geramos atualmente não é reciclada ou processada da maneira correta e acaba sendo destinada a aterros sanitários ou lixões a céu aberto. Este processo, além de potencialmente danoso ao planeta, é um enorme desperdício de recursos e materiais escassos e valiosos contidos no interior desses aparelhos.

Apenas no ano de 2016 foram geradas, globalmente, a impressionante quantia de 44,7 milhões de toneladas de resíduo eletroeletrônico, o que equivale, em peso, a 4.500 Torres Eiffel. O Brasil foi responsável por 3,36% desta quantia (1,5 milhões de toneladas) e está atrás apenas dos EUA (6,3 milhões de toneladas) no ranking dos maiores geradores de resíduos eletroeletrônicos das Américas. Esses dados e muitos outros foram apresentados no Global E-waste Monitor 2017, relatório desenvolvido através de um esforço colaborativo entre a Organização das Nações Unidas (ONU), a Telecommunication Union (ITU) e a International Solid Waste Association (ISWA). O mesmo relatório prevê que até o ano de 2021 superaremos a marca de 50 milhões de toneladas de REEE gerados anualmente ao redor do mundo. Impressionante, certo?

Neste artigo, você entenderá o que são os resíduos eletroeletrônicos, como seu descarte deve ser realizado e como sua reciclagem é lucrativa. Depois você poderá repensar a forma como utiliza seus REEE atualmente…

Vamos lá:

O que são Resíduos Eletroeletrônicos?

 

Resíduos Eletroeletrônicos (REEE)

Resíduos Eletroeletrônicos (REEE)

 

A definição de REEE mais utilizada atualmente tem sua origem no artigo 3º da Diretiva 2002/96/CE do Parlamento Europeu, apresentado da seguinte forma:

Artigo 3.o

Definições:

Para efeitos do disposto na presente diretiva, entende-se por:

  1. a) “Equipamentos eléctricos e electrónicos”, ou “EEE“, os equipamentos cujo adequado funcionamento depende de correntes eléctricas ou campos electromagnéticos, bem como os equipamentos para geração, transferência e medição dessas correntes e campos, pertencentes às categorias definidas no anexo I A e concebidos para utilização com uma tensão nominal não superior a 1000 V para corrente alterna e 1500 V para corrente contínua;

 

  1. b) “Resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos” ou “REEE“, os equipamentos eléctricos ou electrónicos que constituem resíduos, nos termos da alínea a) do artigo 1.o da Directiva 75/442/CEE, incluindo todos os componentes, subconjuntos e materiais consumíveis que fazem parte do produto no momento em que este é descartado;

 

Ainda seguindo as diretivas europeias, desde 2018, a Diretiva unificou a sucata eletrônica em 6 categorias principais para uso internacional:

  1. Equipamentos de Regulação de Temperatura: Frigoríficos, Congeladores, Equipamentos de distribuição automática de produtos frios, Equipamentos de ar condicionado, Equipamentos desumidificadores, Bombas de calor, Radiadores a óleo, Outros equipamentos de regulação de temperatura que utilizem para o efeito outros fluidos que não a água;
  2. Ecrãs, monitores e equipamentos com ecrãs de superfície superior a 100 cm2: Ecrãs, Aparelhos de televisão, Molduras fotográficas, LCD, Monitores, Computadores portáteis «laptop», Computadores portáteis «notebook», Subcategoria – Outros EEE;
  3. Lâmpadas: Lâmpadas fluorescentes clássicas, Lâmpadas fluorescentes compactas, Lâmpadas fluorescentes, Lâmpadas de descarga de alta intensidade, incluindo lâmpadas de sódio sob pressão e Lâmpadas de haletos metálicos, Lâmpadas de sódio de baixa pressão, LED, Subcategoria – Outros EEE;
  4. Equipamentos de grandes dimensões com qualquer dimensão externa superior a 50 cm: Máquinas de lavar roupa, Secadores de roupa, Máquinas de lavar louça, Fogões, Fornos eléctricos, Placas de fogão eléctricas, Luminárias, Equipamento para reproduzir sons ou imagens, Equipamento musical (excluindo tubos de órgãos instalados em igrejas), Aparelhos utilizados no tricô e tecelagem, Macrocomputadores (mainframes), Impressoras de grandes dimensões, Copiadoras de grandes dimensões, Caça -níqueis (slot machines) de grandes dimensões, Dispositivos médicos de grandes dimensões, Instrumentos de monitorização e controlo de grandes dimensões, Distribuidores automáticos de grandes dimensões que fornecem produtos e dinheiro, Painéis fotovoltaicos, Subcategoria – Outros EEE;
  5. Equipamentos de pequenas dimensões com dimensões externas até 50 cm: Aspiradores, Aparelhos de limpeza de alcatifas, Aparelhos utilizados na costura, Luminárias, Micro-ondas, Equipamentos de ventilação, Ferros de engomar, Torradeiras, Facas elétricas, Cafeteiras elétricas, Relógios, Máquinas de barbear elétricas, Balanças, Aparelhos para cortar o cabelo e outros aparelhos para o cuidado do corpo, Calculadoras de bolso, Aparelhos de rádio, Câmaras de vídeo, Gravadores de vídeo, Equipamentos de alta-fidelidade, Instrumentos musicais, Equipamento para reproduzir sons ou imagens, Brinquedos elétricos e eletrónicos, Equipamentos de desporto, Computadores para ciclismo, mergulho, corrida, remo, e outros desportos, Detectores de fumo, Reguladores de aquecimento, Termóstatos;
  6. Equipamentos informáticos e de telecomunicações de pequenas dimensões (com nenhuma dimensão externa superior a 50 cm): Telemóveis, GPS, Calculadoras de bolso, Routers, Computadores pessoais, Impressoras, Telefones, Consumíveis de Impressão, Subcategoria – Outros EEE.

No Brasil, estes equipamentos são também divididos da seguinte forma:

  • linha branca: refrigeradores e congeladores, fogões, lavadoras de roupa e louça, secadoras, condicionadores de ar;
  • linha marrom: monitores e televisores de tubo, plasma, LCD e LED, aparelhos de DVD e VHS, equipamentos de áudio, filmadoras;
  • linha azul: batedeiras, liquidificadores, ferros elétricos, furadeiras, secadores de cabelo, espremedores de frutas, aspiradores de pó, cafeteiras;
  • linha verde: computadores desktop e laptops, acessórios de informática, tablets e telefones celulares.

Destinação dos REEE

 

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) determina que os REEE sejam tratados da seguinte forma, em ordem de prioridade:

Art. 9o 

Na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser observada a seguinte ordem de prioridade: não geraçãoreduçãoreutilizaçãoreciclagemtratamento dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos

Além disso a PNRS prevê que os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de produtos eletroeletrônicos devem implementar sistemas de logística reversa visando o retorno dos produtos às cadeias produtivas após seu uso pelo consumidor final. Uma vez coletados, esses resíduos devem ter destinação ambientalmente adequada seguindo a ordem de prioridade apresentada acima.

Os resíduos eletroeletrônicos, quando indevidamente dispostos, oferecem grandes riscos à saúde e ao meio ambiente, pois frequentemente possuem em sua composição materiais perigosos. Alguns dos componentes perigosos presentes nos REEE são:

  • Arsênico
  • Bário
  • Berílio
  • Cádmio
  • Cromo
  • Dioxinas
  • Chumbo

Reciclagem de REEE, uma mina de ouro (e de outros metais preciosos).

 

Além de preferível do ponto de vista legal e ambiental, a reciclagem dos REEE é um processo economicamente lucrativo tanto para o gerador como para o reciclador.

Segundo o relatório Global E-waste Monitor 2017, uma grande quantidade de materiais valiosos está presente em aparelhos eletroeletrônicos. Equipamentos mais complexos podem conter até 60 elementos da tabela periódica, e muitos deles são plenamente recuperáveis. Nos REEE são encontrados, inclusive, muitos metais preciosos como ouro, prata, cobre, platina e paládio, além de plástico, vidro, ferro, alumínio e outros materiais recicláveis. É estimado pela UNU que o valor das matérias-primas secundárias originadas dos resíduos de equipamentos eletroeletrônicos chegue à quantia de 55 bilhões de Euros (aproximadamente R$ 239 bilhões).

Tomando como exemplo apenas aparelhos de telefone celular, é estimado que o valor intrínseco das matérias-primas contidas em um aparelho padrão (aproximadamente 90g) seja de 2 euros. No ano de 2016, em todo o mundo, foram geradas 445.000 toneladas de resíduos de telefones celulares. Numa conta rápida, chegamos ao valor de 9.4 bilhões de euros (R$ 40 bilhões) desperdiçados pela não reciclagem deste tipo de aparelho tão presente em nossas vidas.

Entretanto, para explorarmos essa mina de metais preciosos, precisamos fazer a transição do modelo linear de produção (pegar-usar-descartar) para um modelo pensado de forma circular, no qual o resíduo de equipamentos eletroeletrônicos é tratado como matéria-prima e não como lixo. Usando a abordagem da economia circular, projetamos produtos para que seu uso se estenda ao longo do maior tempo possível, ou temos em nossa estratégia o reparo, reciclagem ou qualquer prática que vise reaproveitar as propriedades do produto original com a finalidade de recolocá-lo no mercado.

Um ótimo exemplo do potencial dos resíduos de equipamentos eletroeletrônicos e de como a abordagem da economia circular pode gerar valor para a nossa sociedade vem do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020. Todas as medalhas de premiação entregues durante as olimpíadas serão confeccionadas a partir de materiais extraídos de equipamentos eletroeletrônicos descartados. A organização do evento começou a coletar os aparelhos no começo do ano de 2017 e espera, até 2019 coletar cerca de 8 toneladas de metal bruto, que geraria duas toneladas de metal puro, suficientes para a produção de todas as 5 mil medalhas a serem entregues no decorrer dos jogos.

Percebe como os resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) são extremamente valiosos? Não dá pra simplesmente descartar, certo? Porém, apresentamos uma boa solução! A plataforma da Polen conecta geradores e compradores de resíduos de todo o Brasil, facilitando todo o processo de venda. Experimente!

Não se esqueça de participar de nosso grupo no Facebook para continuar por dentro do universo de resíduos, e deixe seu comentário sobre o que achou da publicação. Até a próxima!

 

Créditos Foto em Destaque: www.ufmg.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *